sexta-feira, maio 13, 2005

* O Chapelinho Maroto

Há dias que nos vêm recordar de grandes verdades e grandes mentiras.
Na mesma festa, celebram-se os opostos - como distinguir então o nosso sorriso do outro?

O que é que vale "Ouro", para ti?

(hoje, propositadamente, esquecemos as lágrimas, e lembramos-vos do Sol a dançar...)


"Spaceport" - Aqob - 2005




13 de Maio de 2005 é também o dia do Cão Auto-Existente Branco (10:4-kin30), Lua da Serpente Espectral, Ano da Tempestade de Cristal.

sexta-feira, maio 06, 2005

* Against World Domination

Mudando o ritmo um pouco, esta é uma faixa inspirada na música que se dança.

É uma tarefa nobre da música, a de inspirar e guiar os Seres através da dança, muito mais importante do que se pode julgar à primeira vista. Porque o Ser que dança também é música, dança também com o seu ritmo, e entrega-se na sua totalidade à dança colectiva.

A ligação à Terra - Bola, a preservação da integridade de cada Ser, aquando da dissolução na colectividade pulsante, e o trabalho de inspirar harmonia, paz e alegria - assim poderia ser encarada a função dos djs e dos organizadores de festas, porque o mundo quotidiano já está cheio de egos, competição e manipulação.

As imitações de festas são deprimentes e cansativas, e nós somos contra testes em animais...

Mas cada qual que se divirta como entende, como sabe, e como pode. Aprender custa, mas dizem que vale a pena.

"Terra - Bola" é uma lembrança e um agradecimento a quem consegue mesmo fazer da Vida uma festa, e que, dançando ou cantando para dançar, participa e relembra do grande baile cósmico. Não há maior inspiração nesta vida do que ver-vos, unidos, a conspirar um novo futuro, e a irradiar pelo espaço-tempo fios de luz brilhante, os meridianos da nossa prazerosa liberdade.

É assim que se faz!



"Terra - Bola" - Aqob - 2005

terça-feira, maio 03, 2005

Radiante

"Para te ver" é quase uma canção. A verdadeira, cantou-a o passarito, numa madrugada de S. Valentim, mesmo aqui à minha porta...

É também uma música quente, quente como o mar que todos atravessamos até chegar a esta margem.
Aqui e além do tempo e do espaço, viajamos em radiantes naves de sentimento e imaginação. E encontramos-nos, apaixonados, desarmados, amantes, para cantar e para ouvir...

Faz parte do mesmo E.P. que "Venus Unfolds"


"Para te ver" - Aqob - 2004 -
offline